Você já parou para pensar como a água é uma substância incrível? Ela está em todo lugar: no céu, no ar, no solo, dentro de você e até em Marte!

Além da capacidade de dissolver inúmeros tipos de solutos e de auxiliar na manutenção da temperatura do planeta, a água é essencial para as variadas formas de vida que habitam a Terra.

Diante de toda essa importância, é mais do que justo a água ter uma data totalmente dedicada a ela. Assim, o dia 22 de março foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Mundial da Água.

Essa data tem o objetivo não só de ressaltar a relevância desse patrimônio natural, mas também busca conscientizar a população de todo o planeta sobre a preservação dos recursos hídricos, o direito de acesso à água potável e o consumo consciente.

Portanto, em comemoração ao Dia Mundial da Água, vamos falar sobre 5 curiosidades relacionadas à água que consumimos. Quer saber quais são elas? Então, continue a leitura deste texto!

1. O controle de qualidade da água tratada deve ser feito frequentemente

Para saber se a água encontra-se apropriada para o consumo humano, vários testes devem ser realizados. Esses procedimentos de controle e vigilância são definidos pelo Ministério da Saúde e devem basear-se em parâmetros físicos, químicos e biológicos preestabelecidos.

Em uma Estação de Tratamento de Água (ETA), alguns parâmetros de qualidade da água precisam ser monitorados com maior frequência. Entre eles, podemos citar a avaliação de cor aparente, turbidez, pH, concentração de cloro livre e presença de coliformes totais e de Escherichia coli.

Segundo Stéphanie Lucchesi, gestora de projetos em qualidade da BRK Ambiental, a frequência dessas análises é bastante alta nas ETAs da empresa. Para começar, testes com a água captada para tratamento são realizados a cada duas horas.

Além disso, são desenvolvidas análises durante e ao final do processo de tratamento da água, para controle operacional e de qualidade do produto. Assim, em um único mês, mais de 1.800 testes são feitos com as águas de uma ETA da BRK Ambiental.

Quando a captação de água é realizada por poços, essas análises são realizadas duas vezes por semana, já que essa fonte de água é mais segura, uma vez que fica menos exposta a focos de contaminação.

Porém, em ambos os casos, o controle de qualidade deve continuar nos reservatórios espalhados pelos municípios e na água que chega até o consumidor. Somente dessa maneira é possível garantir que não ocorreu contaminação nas redes de distribuição.

2. O excesso de cloro não deixa a água branca

Muita gente acha que se a água potável apresenta uma aparência branca, a culpa é da alta concentração de cloro. Entretanto, isso não é verdade, pois o cloro é transparente. Esse produto químico é um eficiente desinfetante, e o Ministério da Saúde exige a presença de cloro em baixas concentrações na água distribuída para prevenir a ocorrência de eventuais contaminações nas tubulações de distribuição de água.

O fenômeno da “água branca” ocorre devido à presença de ar dissolvido na água, muito comum em sistemas com altas pressões. Um bom exemplo disso é aquela espécie de espuma branca que podemos observar na superfície de cachoeiras e rios turbulentos.

Quando isso acontecer com a água potável, o consumidor pode fazer um simples teste. É só deixar a água em repouso em um recipiente por dois minutos. Após esse pequeno tempo de espera, ela voltará a ficar transparente.

3. “Água virtual”: o consumo indireto de água potável

Nem sempre somos capazes de ver ou tocar a água que consumimos. Ou seja, todos nós gastamos muito mais água além da que usamos para beber, cozinhar, lavar e realizar a higiene pessoal.

A “água virtual” faz referência a toda água utilizada durante a produção de bens de consumo, como alimentos, bebidas, vestuário, eletrodomésticos e meios de transporte. Por exemplo, para fabricar uma única calça jeans são necessários cerca de 10 mil litros de água. Inacreditável, não é mesmo?

Dessa forma, quanto menor o consumismo, menor o gasto de água durante os processos de produção. Isto é, controlar os hábitos de consumo é uma maneira bastante eficiente de economizar água e preservar os recursos hídricos.

4. O desperdício de água ameaça o abastecimento

Apesar de a Terra ser coberta por água, digna de receber o apelido “Planeta Azul”, apenas cerca de 3% dessa água é doce e potável. Soma-se a isso a distribuição desigual dos recursos hídricos pela superfície terrestre, onde algumas áreas têm água em abundância, enquanto outras sofrem com secas.

Portanto, além dos problemas de distribuição, a escassez de água é um problema real, já que seu ciclo pode ser afetado por diversos fatores, como poluição, assoreamento, mudanças climáticas e desperdício. A importância do Dia Mundial da Água está justamente na conscientização ambiental e na educação da população para um consumo consciente.

A seguir, apresentamos algumas das principais formas de desperdício de água potável.

Desperdício no campo

A agricultura é a atividade que mais consome água potável no mundo, chegando a representar cerca de 70% do consumo mundial. Logo, não é surpresa o fato de que esse setor econômico também é o que mais desperdiça água.

As formas ineficientes de irrigação do solo, as perdas durante o transporte e a contaminação por agrotóxicos são as principais causas desse desperdício. Uma forma de amenizar essas perdas é a busca por métodos alternativos, como a irrigação por gotejamento e o reaproveitamento da água da chuva.

Desperdício nas residências

Sabemos que alguns hábitos domésticos contribuem para aumentar o desperdício de água. Entre eles estão: tomar banhos prolongados, não fazer manutenção de vazamentos e lavar carros, quintais, calçadas e roupas em excesso.

Segundo pesquisa do IBGE, realizada no ano de 2015, o brasileiro consome, em média, 108,4 litros de água por dia. Isto é, em uma residência em que vivem quatro pessoas, há um consumo em torno de 158.000 litros de água por ano. Assim, apesar de o Brasil ser um país com recursos hídricos abundantes, o consumo pela população é bastante alto, o que pode prejudicar diretamente o abastecimento.

5. A água e o desenvolvimento sustentável

A questão da água é tão relevante para a humanidade que a ONU lançou, em 2018, a “Década Internacional para a Ação: Água para o Desenvolvimento Sustentável”. Essa iniciativa está diretamente relacionada ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 6, que busca assegurar a disponibilidade e a gestão sustentável da água e do saneamento em todo o planeta.

Dessa forma, até 2028, as Nações Unidas vão trabalhar para formar parcerias e melhorar a cooperação entre os países. Afinal de contas, garantir água segura e saneamento adequado para a população mundial é uma tarefa de todos!

Acabamos de ver que, apesar de transparente, a água que consumimos pode esconder algumas curiosidades interessantes. Mas ainda há muitas informações úteis que queremos compartilhar.

Por exemplo, se você quer saber detalhes sobre as etapas de tratamento desse recurso natural tão valioso, não deixe de ler este artigo completo sobre o assunto no nosso blog!

——–

Este texto foi redigido com base na entrevista feita com Stéphanie Lucchesi, Gestora de Projetos em Qualidade da BRK Ambiental.