Mais de 5,5 milhões de casos de dengue foram notificados nos diferentes estados brasileiros, apenas no período entre os anos de 2013 e 2017. Os dados são do Ministério da Saúde e ajudam a demonstrar o nível epidêmico que a doença alcançou no país.

Para completar, o Aedes aegypti, mosquito responsável pela transmissão da dengue, passou a ser capaz de disseminar também os vírus zika e chikungunya. Não satisfeito, o mosquitinho de pouco mais de 0,5 cm segue como ameaça grandiosa para o controle da febre amarela no Brasil. A versão urbana da doença está erradicada do país, desde 1942, mas a proliferação do Aedes aegypti, seu principal vetor, mantém acesa a possibilidade de um retorno.

A cada verão, as campanhas de combate ao Aedes aegipty se multiplicam pelo país. É sabido que o clima quente e úmido predominante na estação favorece a reprodução do mosquito. Mas engana-se quem acha que pode baixar a guarda nos outros períodos do ano. Você vai se surpreender em saber que os ovos do transmissor da dengue, zika e chikungunya permanecem viáveis e ainda podem dar origem a novos mosquitos até um ano e meio após a desova.

7 boas práticas de saneamento que ajudam a combater o Aedes aegypti

Boas práticas de saneamento têm tudo a ver com o combate ao problema. Todo mundo já sabe que o Aedes gosta de água acumulada e parada. Onde não há tratamento de esgoto ou coleta de lixo eficiente é maior a oferta de criadouros para o mosquito.

O Brasil ainda enfrenta o desafio de universalizar a rede de coleta e tratamento de esgoto, mas, para além da infraestrutura, o comportamento de cada cidadão é fundamental para que o combate ao Aedes aegypti seja eficaz. Confira 7 boas práticas que você pode adotar no seu dia a dia e entre desde já na luta contra o Aedes aegypti.

1. Mantenha a limpeza da caixa d’água em dia

A caixa d’água é uma das moradias preferidas do mosquito da dengue, zika e chikungunya. Promover a limpeza da caixa e manter suas saídas tampadas é responsabilidade dos usuários e dá uma ajuda e tanto no combate ao Aedes aegypti.

2. Alerta total aos terrenos abandonados

Outro obstáculo comum no combate ao mosquito está nos terrenos e imóveis abandonados, que acabam tornando-se depósitos de lixo, favorecem a concentração de água parada e abrem passagem para um ciclo de reprodução infinito dos mosquitos. Evitar que isso ocorra é dever dos proprietários, mas você também pode denunciar esses locais para a Secretaria de Saúde da sua cidade.

3. Não deixe a água parar na sua casa

O mosquito consegue se reproduzir até em pequenas poças de água. Líquidos acumulados nos pratinhos das plantas ou nas vasilhas de alimentação dos pets podem virar criadouros para o Aedes.

Coloque areia nos pratos e limpe a vasilha de água do seu animal de estimação pelo menos uma vez na semana. Só trocar a água não é suficiente, pois os ovos do mosquito podem resistir por lá. A indicação é limpar com esponja ou escova os recipientes que possam virar criadouros.

4. Cuide bem do seu lixo

Por algum tempo se acreditou que o mosquito da dengue, zika e chikungunya preferia se reproduzir na água limpa, mas isso não é verdade. Qualquer água parada, pura ou suja, pode atrair o Aedes. Sendo assim, lixeiras destampadas têm potencial para virar criadouros. O mesmo acontece com o lixo – tampinhas de embalagens, vasilhas, garrafas pet – que fica exposto à chuva. A dica é manter o lixo em sacos vedados e as lixeiras sempre bem tampadas.

5. Lembre que piscina sem cloro vira foco

É a presença do cloro que repele o Aedes aegypti da água das piscinas. Trate sua piscina semanalmente com o produto. Aquelas que estão fora de uso devem permanecer cobertas para não acumular água da chuva. Cuidado para não deixar acumular água e sujeira sobre a capa ou tela.

6. Olho vivo nas lajes e calhas

Qualquer cantinho pode servir de abrigo para um ovinho do mosquito da dengue, até mesmo depressões no chão da laje, falhas nos rebocos ou calhas obstruídas.

Tente identificar e nivelar imperfeições em pisos e outros locais da sua casa que possam acumular líquido. As calhas devem ser mantidas sempre sem folhas ou outros obstáculos capazes de impedir o escoamento da água. Choveu? passe um rodo e pano nas lajes para evitar o acúmulo de água.

7. Preserve as redes de drenagem de água e coleta de esgoto

Aquela latinha que é jogada na rua vai parar nos bueiros e entupir a rede de drenagem de água da chuva, que vai transbordar. O resultado é mais água suja acumulada em diferentes pontos da cidade. Cuide da limpeza do seu município e contribua para a luta contra o mosquito da dengue.

Quanta coisa para prestarmos atenção, não é mesmo? Mas pode ter certeza que vale a pena! Dispor de saneamento é uma das principais conquistas para a saúde e qualidade de vida de uma população. E manter a sua moradia sempre bem cuidada, além de proporcionar bem-estar para sua família, contribui e muito para que a vizinhança toda viva melhor e sem medo da dengue.

O que você achou deste conteúdo? Siga nossos perfis nas redes sociais para não perder nenhuma novidade! Estamos no FacebookInstagramLinkedInTwitter e YouTube.