A alimentação é uma questão muito mais complexa do que se imagina. Além de se atentar para a quantidade e qualidade dos nutrientes que são ingeridos, a saúde humana também depende da segurança com que os alimentos são manipulados. Afinal, quem nunca se sentiu mal em virtude da procedência de algo que comeu?

Longe de causar um simples mal estar, os alimentos contaminados matam cerca de 420 mil pessoas por ano. Além disso, estes perigos invisíveis sobrecarregam os sistemas de saúde, prejudicando o turismo e até mesmo a economia. Você sabe o que pode ser feito para resolver este problema?

Neste post, você vai entender melhor como acontece a contaminação de alimentos e o que fazer para evitá-la.

O que é a contaminação de alimentos?

A contaminação de alimentos acontece quando qualquer mantimento entra em contato (direto ou indireto) com substâncias ou elementos que representem um risco para a saúde, caso sejam ingeridos.

Isso pode ocorrer em casa (quando alguém não higieniza frutas e verduras adequadamente antes do consumo, por exemplo) ou no campo, caso haja a adição de alguns tipos de agrotóxico em excesso nas plantações. Poluição, falta de saneamento básico e temperaturas extremas também são fatores que favorecem a contaminação.

Há previsões de que este problema se agrave com a ascensão de algumas mudanças globais, como o crescimento da pobreza e a falta de controle populacional.

Quais são os perigos dos alimentos contaminados?

A segurança alimentar e a nutrição estão diretamente relacionadas. Afinal, os alimentos contaminados criam um ciclo de doenças que afetam principalmente crianças pequenas e idosos. Os principais sintomas causados por uma contaminação são:

  • náuseas;
  • desidratação;
  • dores abdominais;
  • diarreia;
  • febre;
  • falta de apetite.

Segundo o Ministério da Saúde, existem mais de 250 tipos de doenças transmitidas por alimentos contaminados no mundo, sendo a maioria causada por vírus, bactérias, parasitas e suas toxinas.

Além disso a sobrecarga de problemas gerados por estas doenças dificultam o desenvolvimento econômico do país. Estima-se que o impacto da falta de segurança alimentícia gere uma perda de produtividade de US$ 95 bilhões às economias em desenvolvimento por ano. Mas países desenvolvidos também não estão imunes. Para se ter um exemplo, um surto da bactéria E. coli que aconteceu na Alemanha causou prejuízos de US$ 1,3 bilhão para agricultores e indústrias em 2011.

Quais são os principais tipos de contaminação?

Embora existam muitos cenários que possam ocasionar a contaminação de alimentos, a maioria se enquadra nas seguintes categorias: biológica, química, física ou cruzada.

Biológica

A contaminação biológica se refere aos alimentos contaminados por microrganismos patogênicos ou substâncias que eles produzem. Suas fontes de contaminação mais comuns são animais, humanos e insetos.

Química

Representa os alimentos contaminados com químicos naturais ou artificiais, como a presença de compostos químicos estranhos (corantes e aditivos não autorizados, inseticidas, metais pesados, etc.) ou de toxinas produzidas por microrganismos. Esses contaminantes são particularmente perigosos, pois promovem a exposição a substâncias tóxicas, que podem ser fatais. Suas principais fontes de contaminação são as instalações físicas na qual o alimento está inserido e até mesmo o próprio ar.

Física

A contaminação física acontece quando um objeto estranho (como um pedaço de utensílio de cozinha, cabelo, unhas e pelos de ratos) entra em contato direto com os alimentos. O risco adicional é que o objeto pode apresentar algum tipo de contaminação biológica.

Cruzada

A contaminação cruzada ocorre quando contaminantes biológicos, físicos ou químicos entram em contato com os alimentos de maneira direta ou indireta de forma acidental. Suas principais fontes são os acessórios de cozinha (tábuas, facas, colheres…) ou mãos com higienização inadequada.

Quais são os alimentos mais suscetíveis à contaminação?

Alguns tipos de alimentos requerem um cuidado extra no momento do preparo, armazenamento e higienização, já que apresentam maiores chances de contaminação.

Ovos

Ovos mal cozidos ou crus representam um perigo para a saúde, já que as altas temperaturas em seu cozimento proporcionam a eliminação de diversos microrganismos patogênicos, especialmente a Salmonella.

Carnes

As carnes, assim como qualquer outro alimento de origem animal, representam um ambiente ideal para a proliferação de bactérias, pois possuem proteínas, água e outros nutrientes em sua composição.

Laticínios

O PH de sobremesas e derivados do leite, assim como o das carnes, é bastante propício para a sobrevivência de microrganismos nocivos (não é à toa que estes tipos de alimentos estragam facilmente). Por isso, o cuidado deve ser redobrado no momento de sua manipulação, conservação e armazenamento.

Água

Por ser um alimento essencial à vida humana, a água também está presente nesta lista. Sua contaminação é mais frequente em locais onde há o descarte incorreto de lixo ou saneamento básico precário. O cuidado com a sua qualidade é essencial, principalmente quando usada na higienização de outros alimentos.

Como evitar a contaminação de alimentos?

Alguns cuidados simples podem ser adotados na sua rotina para evitar a contaminação de alimentos dentro de casa. São eles:

  1. Armazenar alimentos em recipientes fechados e separados, de forma que a carne crua jamais entre em contato com outros mantimentos prontos;
  2. Realizar a limpeza de sua caixa de água regularmente, para garantir a qualidade da água que chega às torneiras;
  3. Higienizar vegetais e frutas antes do seu preparo;
  4. Separar uma faca e uma tábua para cada tipo de alimento, sem esquecer de higienizá-los bem antes de começar a cozinhar;
  5. Evitar o consumo de refeições cruas ou mal cozidas, principalmente aquelas que contêm carne ou derivados;
  6. Lavar as mãos e pulsos antes do preparo de qualquer refeição;
  7. Manter os cabelos sempre presos e a barba aparada na hora de cozinhar;
  8. Não utilizar água ou alimentos de procedência duvidosa ou desconhecida.
  9. Na hora de fazer compras, recuse as embalagens sem etiquetas que identifiquem os produtores e não se esqueça de checar o prazo de validade de cada alimento.

Como você pode perceber, a contaminação de alimentos é um problema sério, que pode ter consequências que vão muito além de prejuízos à saúde. No entanto, é possível evitar esses transtornos adotando um pouco mais de precaução e boas práticas de higiene no dia a dia. Basta seguir nossas orientações e sempre buscar se atualizar sobre o assunto.

Se você gostou de ler este conteúdo, não deixe de assinar nossa newsletter. Você receberá todas as novidades do blog em primeira mão, no seu e-mail.