Um dos principais desafios do Brasil atualmente é a universalização do saneamento básico, que inclui os serviços de abastecimento de água e coleta etratamento de efluentes. Segundo os dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento -SNIS 2018, apesar de o percentual de esgotos tratados ter crescido no país, o serviço não está disponível para quase metade da população.

Quando a residência não está ligada a uma rede de esgoto, os efluentes são despejados diretamente nos rios, lagos e oceanos, poluindo fontes de captação de água e contribuindo para a propagação de doenças. Em função disso, o tratamento de esgoto tem impactos sociais e ambientais diretos para a população como um todo.

Tendo em vista a relevância do tratamento de efluentes, mostramos aqui os desafios desse processo e seus principais impactos. Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

A importância do tratamento de efluentes domésticos

As estações de tratamento de efluentes são responsáveis por receber o esgoto coletado no município e realizar os processos adequados para que ele seja devolvido para a natureza sem prejudicar o meio ambiente. Quando efluente sem tratamento corre pelas ruas, a população é prejudica pela exposição a doenças de veiculação hídrica e pelo mau cheiro. Já quando ele é despejado nos rios sem tratamento, o esgoto altera a composição natural daquele ecossistema, gerando danos à fauna e à flora do local e até contaminando fontes de captação de água.

Em resumo, o tratamento de efluentes garante, entre outros benefícios, uma qualidade de vida melhor para a população, a promoção da saúde por meio da redução da proliferação de doenças, além da preservação do meio ambiente. 

Como contribuir para o tratamento de efluentes dentro de casa

Um dos principais desafios da coleta e do tratamento de esgotos é a falta de conscientização da população. Muita gente ainda realiza odescarte indevido de resíduos e outros produtos no sistema de esgotamento sanitário, que causam entupimentos e extravasamentos na rede.

Mesmo quando não há intenção jogar lixo no esgoto, a desinformação e a falta de atenção em certas práticas habituais podem causar transtornos a todos. Veja como contribuir para que o sistema de esgotamento sanitário funcione corretamente com algumas mudanças de hábitos simples:

Lixo no lixo

Os resíduos sólidos descartados indevidamente em vasos sanitários e os restos de alimento que escorrem pelo ralo da pia são um dos principais responsáveis por obstruções e entupimentos da estrutura hidráulica das casas e da rede pública de esgoto.

O entupimento da rede de esgoto gera diversos problemas, que vão desde o extravasamento, com o retorno do efluente para dentro das residências, até a ruptura das tubulações — o que representa um grande prejuízo para o funcionamento do sistema de saneamento da cidade. 

Descarte correto do óleo de cozinha

O óleo que escorre na pia da cozinha é um dos grandes vilões da rede de esgoto. Ao esfriar, o óleo que era líquido se transforma em um bloco sólido, capaz de se fixar nos canos. Com o passar do tempo, esse acúmulo cresce e vai reduzindo o espaço para a passagem do esgoto.

A forma correta de descartar o óleo de cozinha é armazená-lo em uma garrafa pet após o uso. Quando a garrafa estiver cheia, direcione para o ponto de coleta mais próximo – aí vai uma dica: muitas escolas funcionam como ponto de coleta! Se não tiver um ponto de coleta próximo, coloque a garrafa bem fechada junto do lixo. Assim, os riscos de contaminação dos solos e dos recursos hídricos são reduzidos.

O óleo descartado na pia da cozinha, nos ralos ou no vaso sanitários resulta na obstrução completa do encanamento. Dessa forma, o ideal é que, além de evitar o descarte incorreto, também seja feita a instalação da caixa de gordura na tubulação que recebe a água da pia.

Não deixe pelos e cabelos descerem pelo ralo

Quando pelos e cabelos se acumulam e ficam retidos no ralo do banheiro, é importante recolhê-los e descartá-los no lixo antes que desçam pelo encanamento. Os fios de cabelos, quando acumulados, formam uma forte rede que se prende e capaz de se enroscar em outros itens descartados indevidamente, formando grandes massas e entupindo as tubulações.

Por isso, recolher os fios e jogá-los no lixinho do banheiro é a melhor saída para evitar os transtornos de um entupimento dentro de casa. Além de cuidar das redes de esgoto, praticar essas medidas também é cuidar do meio ambiente.

Os benefícios da universalização do tratamento de efluentes

Quando realizado adequadamente, o tratamento de efluentes gera diversos benefícios à população e ao meio ambiente. Confira a seguir.

Preservação ambiental

Lixo acumulado, esgoto a céu aberto e contaminação dos rios são alguns dos problemas que afetam gravemente não só a população, mas também o meio ambiente. Nesse contexto, o saneamento básico — em especial as estações de tratamento de esgoto — é essencial para garantir que essas águas servidas retornem à natureza despoluídas.

Vale destacar que a universalização do tratamento de efluentes também contribui para minimizar a emissão de gases poluentes na atmosfera — como o gás carbônico —, que contribuem para o aquecimento global. 

Economia com saúde pública

Um dos mais relevantes impactos da falta de saneamento é a propagação de doenças. Com o tratamento adequado da água e do esgoto, reduz-se a quantidade de micro-organismos causadores de enfermidades que se desenvolvem em ambientes insalubres. Além disso, evita-se a proliferação de insetos e roedores transmissores de doenças.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), para cada real gasto em saneamento básico, 4 reais são economizados em saúde. Além disso, uma das principais causas de morte em crianças de até 5 anos é a diarreia, uma enfermidade facilmente evitada com o acesso aos serviços de saneamento.

Menos desigualdade social

O tratamento de esgoto é um importante parâmetro de desenvolvimento de uma nação. Nesse sentido, é evidente quea falta de acesso ao saneamento básico predomina na população mais pobre. Os maiores índices de internação hospitalar e de afastamento de trabalhadores são dessa população, e isso gera impactos diretos na renda familiar e nos índices de desemprego.

No entanto, com a aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, a universalização dos serviços está mais próxima. A destinação correta do lixo, o abastecimento com água tratada e o tratamento de efluentes são maneiras de garantir melhores indicadores de saúde, educação e lazer para a sociedade, proporcionando ganhos econômicos e sociais e reduzindo as desigualdades existentes.

Agora que você já conhece os desafios do tratamento de efluentes e seus impactos na sociedade, que tal conhecer os benefícios das concessões de saneamento para a iniciativa privada?