Embora não estejam visíveis nas ruas, as galerias pluviais e a rede de esgoto têm papel fundamental na manutenção da infraestrutura de uma cidade. Cada uma tem particularidades e papéis distintos e, por isso, precisam de cuidados específicos.

A utilização indevida dessas redes pode trazer diversos problemas para a população, principalmente nas épocas de chuva, em que comumente alagamentos acontecem devido à má manutenção ou incapacidade das galerias pluviais de dar vazão à água.

Além disso, quando ocorre a ligação entre elas, há um grande risco para a saúde da população, já que o esgoto pode causar doenças ao entrar em contato com as pessoas. Ainda existe o problema da contaminação ambiental, que compromete a vida aquática em rios e córregos, entre outros.

Neste post, você entende o que são galerias pluviais e rede de esgoto, bem como as principais diferenças entre elas. Além disso, listamos problemas que podem ocorrer devido à ligação entre esses dois sistemas. Continue lendo e confira!

O que são galerias pluviais?

As galerias pluviais são um conjunto de tubulações que têm como objetivo captar, transportar e drenar a água da chuva das áreas urbanas até rios, córregos ou canais. A sua instalação e manutenção é de responsabilidade do poder público municipal.

Com a ocupação urbana, a modernização das vias e a utilização de materiais impermeáveis, como o asfalto e concreto, o solo, muitas vezes, não consegue absorver toda a água das chuvas. Dessa forma, o escoamento por galerias pluviais é importante para que alagamentos não aconteçam.

A água da chuva não passa por tratamento específico para retirar impurezas e é conduzida diretamente para os corpos d’água. Por isso, é importante que não haja mistura com dejetos humanos ou outros resíduos para evitar a contaminação e poluição da água.

O que é rede de esgoto?

a rede de esgoto é o conjunto de tubulações que tem como objetivo levar os esgotos sanitários dos imóveis até as estações de tratamento de esgoto (ETE). Por meio dela escoam as águas residuárias que utilizamos dentro de casa para tomar banho, lavar os pratos e dar descarga, assim como os rejeitos de estabelecimentos comerciais.

Estes são conduzidos até às ETEs, onde recebem o tratamento adequado para que possam ser despejados nos corpos d’água sem causar prejuízo para o meio ambiente. A eficiência do tratamento depende das características e vazões de esgoto recebidas, características do rio onde será despejado, entre outros fatores.

As redes que interligam as residências ao sistema de coleta (dentro da propriedade) são as ligações prediais, e a instalação e manutenção são de responsabilidade do proprietário do imóvel. As demais redes fazem parte do sistema de coleta público de esgoto, e a incumbência é da companhia de saneamento básico da cidade, que transporta os esgotos até a ETE, faz o tratamento e lança o esgoto já tratado no rio.

Quais são as diferenças entre elas?

Segundo as normas técnicas e definições da Engenharia Sanitária, as diferenças entre as galerias pluviais e a rede de esgoto estão na sua função, suas características e na forma de dimensionamento, como já abordado nos tópicos acima.

Essas diferenças estão principalmente em seus diâmetros, profundidades, materiais constituintes e volumes de água transportada. As redes coletoras de esgoto são normalmente de diâmetros menores (menor volume), mais profundas e de material plástico, para transportar esgoto sanitário. Já as galerias de águas pluviais têm diâmetros maiores (maior volume), são menos profundas e normalmente são em concreto, para transportar água da chuva.

Vale lembrar que um dos principais parâmetros utilizados para projetar uma ETE é a vazão de esgoto que chega nela. Quando a água da chuva é direcionada para o sistema de esgotamento sanitário, há um aumento no volume recebido pelas estações, o que pode prejudicar – e muito – a eficiência do processo.

Assim como as ETEs, as redes de esgoto e os sistemas de bombeamentos também são projetados apenas para a vazão de esgoto sanitário, que é muito mais baixa em comparação à vazão de águas pluviais.

Como identificar as galerias pluviais e a rede de esgoto?

Há algumas diferenças básicas entre elas. A drenagem pluvial coleta as águas de chuva por meio das bocas de lobo, que geralmente são retangulares e ficam próximas às calçadas. Já as redes de esgoto coletam apenas os esgotos sanitários por meio das ligações prediais, que interligam as residências à rede pública.

Tanto o sistema de drenagem quanto o de coleta de esgoto possuem poços de visita (estruturas de acesso para manutenções), porém, geralmente existe indicação na tampa indicando “águas pluviais”, “esgoto sanitário” e o nome da empresa responsável.

O diâmetro das tubulações também é diferente: para as galerias pluviais são utilizados tubos de grande diâmetro, já que eles devem suportar volumes altos, evitando inundações em dias de chuva; por outro lado, o esgotamento sanitário tem um fluxo mais contínuo (usado 24 horas) e limitado a uma parcela do consumo de água da população, por isso são menores.

Quais são os problemas causados pelas interligações entre os dois?

A ligação entre as galerias pluviais e a rede de esgoto pode ocasionar diversos problemas ambientais, para as pessoas e para as infraestruturas existentes.

Veja, abaixo, alguns dos problemas que podem ocorrer quando a água da chuva se mistura ao esgoto:

  • diluição do esgoto, prejudicando o seu processo de tratamento;
  • entupimento da rede de esgoto, pois a água da chuva contém maior quantidade de material sólido, como areia, pedras, lixo etc.;
  • comprometimento da estrutura física das tubulações, pela vazão acima da capacidade da rede;
  • vazamentos em ruas, córregos e, até mesmo, nas residências, ocasionado pela vazão acima da capacidade da rede ou por entupimentos;
  • exposição da população à água contaminada com esgoto;
  • risco de acidente com veículos por causa do surgimento de buracos nas vias.

O contrário, quando a rede de esgoto se mistura às galerias pluviais, também causa grandes problemas. Veja abaixo:

  • lançamento de esgoto sem o devido tratamento em corpos d’água, como rios e córregos;
  • contaminação do solo e de aquíferos subterrâneos;
  • em situações de chuvas intensas, em que ocorrem inundações, pode haver prejuízo à saúde de pessoas que tiverem contato com essa água;
  • presença de forte odor — quando não está chovendo, as galerias pluviais ficam secas ou com baixa vazão, e no caso de estarem contaminadas, exalam mau cheiro;
  • proliferação de pragas urbanas, como ratos, baratas, mosquitos e animais peçonhentos;
  • deterioração das tubulações de concreto utilizadas nas galerias pluviais, por não serem projetadas para transportar esgoto.

Além de todos os problemas que relatamos, fazer ligação entre galerias pluviais e rede de esgoto é proibido por lei e se identificado pode gerar multa para o dono do imóvel. Portanto, tenha cuidado ao fazer obras na sua casa ou estabelecimento comercial.

Siga sempre as indicações das companhias de saneamento para conexão à rede pública de esgoto. As concessionárias de água e esgoto podem, inclusive, ao efetivar a ligação predial, lançar corantes nos ralos e estruturas de drenagem dos imóveis para garantir que a água de chuva não seja encaminhada à rede coletora de esgoto.

Fuja de ligações clandestinas e ajude a manter o bom funcionamento das ETEs, assim como a preservação do meio ambiente. Lembre-se de que a água é um bem de todos nós, por isso deve ser protegida e bem utilizada, evitando desperdícios.

Gostou do nosso post? Já presenciou alguma situação desagradável envolvendo a ligação entre essas duas redes? Compartilhe sua história nos comentários e ajude outras pessoas a não passarem pelo mesmo!